segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

CALDAS NOVAS: A maior estância hidrotermal do mundo é nossa!

Viagem realizada em fevereiro/2018


Sempre ouvi falar de Caldas Novas, principalmente nas propagandas da CVC, rs. Essa cidade goiana reinava na listinha de pacotes de viagens oferecidos por essa agência super popular. Quase sempre ficava ali, colada em Porto Seguro/BA. Sinceramente, eu tinha um pouco de preconceito com Caldas Novas. Achava que era um destino pra terceira idade, um lugar muito popular e muvucado... Graças a Deus, minha vida de viajante me fez evoluir muuuuito e acabei abandonando certos preconceitos bobos e sem fundamentos. Como este, por exemplo.

Caldas Novas fica a uns 170 quilômetros de Goiânia e é super famosa por seus parques aquáticos e piscinas termais. Ela é considerada a maior estância hidrotermal do mundo e suas águas brotam das nascentes a uma temperatura que varia entre 30 e 57 graus. Muito impressionante! E muito quente! Os hotéis e pousadas estão sempre lotados de turistas, não importa a época do ano. Todo mundo vem atrás de muita diversão e relaxamento nessas águas quentinhas.

Comprei uma passagem aérea em promoção para Goiânia e depois de passar três dias por lá (clique aqui para ler o post completo dessa viagem), segui para Caldas Novas de ônibus. O trajeto foi super tranquilo e acho que em menos de três horas já estava saçaricando pela cidade. Como estava fazendo uma viagem super econômica, escolhi um dos hotéis mais baratinhos que encontrei no Booking.com, a Pousada Monte Castelo. Era feriado de Carnaval e mesmo assim a diária estava super em conta e achei que valeu muuuito a pena! A localização era boa (bem pertinho do centro), o atendimento foi ótimo (os donos eram super simpáticos e solícitos) e a limpeza excelente. Acho que nunca me hospedei em um lugar onde os lençóis e toalhas eram tão cheirosos! Meu quarto era beeem simples, mas atendeu perfeitamente as minhas necessidades. O café da manhã era regular, mas tinha o básico e era preparado com carinho. Só não gostei muito do sinal do wifi (era fraquinho e vivia caindo) e da televisão (quase não pegava nenhum canal). Mas de resto foi tudo perfeito!

Pousada Monte Castelo
O quarto era beeem simples, mas atendeu minhas necessidades
Nascer do sol visto da varanda

Fiquei quatro dias em Caldas Novas. Dediquei um para conhecer os atrativos do centro da cidade e os outros três para aproveitar o sol e a piscina. O primeiro lugar que visitei foi a Embaixada de Pernambuco. Mas você deve estar se perguntando: Pernambuco? Mas o post não é sobre Caldas Novas? Em Goiás? Calma! É isso mesmo. Lá em Caldas Novas tem uma espécie de museu onde estão expostos diversos bonecos gigantes de Olinda. Eles vem diretamente do Carnaval de Pernambuco e ficam ali por um tempo. Essa atração é relativamente nova na cidade, foi inaugurada em 2017, e o acervo não é fixo. Tem boneco que vem pra cá e depois volta pra Olinda, e vice-versa. Quando estive por lá, pude conhecer os bonecos da Turma do Chaves, Papa Francisco, Michael Jackson, Roberto Carlos, Chacrinha e de muitas outras personalidades. O momento mais legal da visita foi ter a experiência de entrar embaixo de um dos bonecos e carregá-lo um pouquinho. Não parece, mas eles são bem pesados! Nos fundos do museu, há um café super bonitinho. A visita é feita com o acompanhamento de uma monitora e eles cobram uma taxa de entrada.

Embaixada de Pernambuco
Alguns bonecos gigantes do acervo
Só celebridades!
Café temático nos fundos do museu

As fontes termais de Caldas Novas foram descobertas em 1722. Foi a partir daí que a cidade começou a se desenvolver. Algumas construções que fizeram parte dessa história estão bem conservadas até hoje e são abertas à visitação. Perto da embaixada fica o Casarão dos Gonzaga, uma das casas mais antigas de Caldas Novas. Ela foi erguida em 1907 e possui a arquitetura típica goiana do início do século XX, com portas, janelas e pé direito bem altos (para amenizar o calor). Atualmente, funciona como um centro de apoio ao artesão. Infelizmente, não consegui visitá-la, pois estava fechada. A Igreja Nossa Senhora das Dores também é outra construção importante. Ela foi erguida em 1850 e é tombada como patrimônio histórico estadual.

Casarão dos Gonzaga
Igreja Nossa Senhora das Dores

Saindo da parte histórica, Caldas Novas tem mais alguns atrativos bem legais! Gostei bastante do Monumento às Águas. Ele fica na Avenida Santo Amaro, perto de uma das entradas da cidade. Esse local é uma espécie de praça, com várias pedras e cascatas. É super gostoso ficar ali ouvindo o barulhinho da água. Muito relaxante! Também gostei bastante da Fonte dos Desejos. Ela fica na mesma avenida e achei a proposta dos dois atrativos semelhantes. A fonte também fica em uma espécie de praça, com um jardim muito bonito e algumas cascatas.

Monumento às Águas
Esse local é super relaxante!
Fonte dos Desejos

Ao lado da Fonte dos Desejos tem uma capelinha muito fofa! Acho que ela faz parte do complexo Shopping Jardins diRoma. Esse local é muito agradável e tem uma infraestrutura excelente! Há vários quiosques que vendem comidinhas, salão de jogos, sanitários, farmácia, loja de conveniência, aparelhos de ginástica... Tudo é muito organizado e bonito! O famoso Shopping Artesanal Serra Verde também fica ali perto e é impossível passar por lá e não reparar na locomotiva gigante saindo de sua fachada (semelhante a que tem no Mundo à Vapor, em Canela). A ideia de colocar esse trem aí é remontar um trágico acidente ferroviário que aconteceu em Paris, no ano de 1895, quando uma locomotiva a vapor desgovernada atravessou a parede de uma estação e ficou pendurada do lado de fora. Dentro do shopping há várias lojinhas vendendo artesanatos, doces, pedras preciosas, lembrancinhas, chocolates, roupas...

Capelinha do Shopping Jardins diRoma
Shopping Artesanal Serra Verde
Remontagem de um trágico acidente ocorrido em Paris

O último local que visitei na Avenida Santo Amaro foi o Jardim Japonês. Como o próprio nome diz, esse jardim é tipicamente japonês e há diversos elementos simbólicos da cultura oriental espalhados em cada cantinho. O paisagismo é muito lindo e tudo parece te convidar a relaxar e contemplar a natureza. Adorei esse lugar e fiquei umas duas horas passeando por ali. Antigamente, neste mesmo local, funcionava uma fazenda e por conta disso diversos objetos da época foram mantidos, como por exemplo o carro de boi, as moendas de cana-de-açúcar, as rodas d'água... A segunda casa mais antiga de Caldas Novas também fica aí. Achei super interessante conhecer os ambientes internos dessa casa. Há vários objetos e mobiliários da época. A casa fica ao lado de uma gameleira enoooorme! E linda!

Entrada do Jardim Japonês
O jardim é repleto de significados
Avestruz (à esquerda) e a segunda casa mais antiga de Caldas Novas (à direita)
Gameleira gigante

Todos esses atrativos que conheci no primeiro dia foram visitados a pé. O centro de Caldas Novas é pequeno e bem acessível para os não motorizados. Os outros três dias da viagem foram reservados para aproveitar o sol e as piscinas. Minha intenção era ficar cada dia em um parque aquático diferente e assim que cheguei na cidade, já fui pegando indicações dos mais legais. Porém, quando passei na frente de alguns deles, fiquei bem frustrada, pois não gostei do ambiente... Podem me julgar, mas não sou muito fã de lugares cheios e barulhentos (apesar de jovem, tenho a alma antiga, rs). E como era Carnaval, todos os parques estavam cheios, com música alta, repletos de gincanas e atividades monitoradas e muita, mas muita bagunça. E isso era tudo o que eu não queria para o meu feriado... Além de pagar caro nos três ingressos, certamente me aborreceria.

Foi aí que lembrei do Sesc (eu queria muito ter me hospedado nele, mas as vagas já estavam esgotadas). Além da hospedagem, eles também tem o day-use: você paga uma taxa e pode usufruir de toda a estrutura deles (inclusive das piscinas do parque aquático) durante o dia inteiro. E o valor do ingresso é infinitamente menor do que os cobrados pelos outros parques aquáticos da cidade. Foi sucesso! O Sesc foi uma grata surpresa nessa viagem e ele, literalmente, salvou o meu feriado! Sem falar que o lugar tem um paisagismo lindo! E tudo é muito bem cuidado. Me encantei com o Lago dos Sonhos e com os jardins super gramados.

Sesc Caldas Novas
Lago dos sonhos, muito lindo!
Olha esse gramado verdinho!
O cerrado e o verão

Também me encantei com a quantidade de aves e bichinhos que vi durante uma caminhada ao redor do lago e na área das piscinas. Perdi as contas de quantas araras tinham ali! Foi M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O! E borboletas, então? Uma mais coloridinha que a outra! Também havia uma família de simpáticas capivaras que viviam soltas nos gramados. Cada hora elas estavam em um lugar diferente. Era engraçado acompanhar o dia-a-dia delas. Ah, tava quase esquecendo de contar que vi um picapau!!! Foi inesquecível!

Muitas araras e borboletas!
Morri de amor por essa capivarinha dormindo (à esquerda) e por esse picapau (à direita)
Mais aves!

A primeira casa de Caldas Novas fica dentro do Sesc também. Há muitos anos atrás, funcionava uma fazenda aí neste local. Essa casa, construída em 1777, era a sede dessa fazenda. A construção foi restaurada e, felizmente, todas as características antigas foram mantidas. Ali dentro ainda é possível encontrar fogão à lenha, tear, oratório e muitos outros objetos e mobiliários da época. Gostei muito de conhecê-la e ver de pertinho um pedaço da história de Caldas Novas.

Bom, vamos ao que interessa: minhas impressões sobre as piscinas e o parque aquático do Sesc. Já mencionei por aqui que não gosto de lugares muvucados e barulhentos. E também não sou muito fã de parques aquáticos mais radicais, aqueles lotados de toboáguas, brinquedos e água pra tudo quanto é lado. Eu AMO piscina, mas só pra pegar um sol e entrar um pouquinho na água quando o calor estiver demais. E só! Se for comparar o parque aquático do Sesc com os demais parques de Caldas Novas, ele talvez seja o mais simples de todos, mas foi perfeito pra mim.

Ali dentro do Sesc há dois espaços com piscinas. Um é de uso exclusivo dos hóspedes e o outro é livre para os visitantes do day-use. O que eu fui tinha muitas piscinas, toboáguas, lanchonetes, bebedouros e sanitários. Como a área é grande, as piscinas ficam super bem distribuídas e não dá a sensação de que estão lotadas. Não cheguei a contar, mas acho que devia ter umas seis ou sete, algumas aquecidas, outras não. O ambiente é super familiar e gostoso, mas não consegui escapar do barulho, rs. Como era Carnaval, rolaram gincanas e atividades monitoradas dentro de algumas piscinas. Mesmo assim, achei que valeu super a pena passar os três dias por lá.

A primeira casa de Caldas Novas
Muitas piscinas!
Espaço dos toboáguas
Mais piscinas!

Muita gente que ler esse post pode achar estranho eu ter ido à Caldas Novas e não ter conhecido nenhum parque aquático. Isso também soa estranho pra mim, mas não curti a vibe dos parques durante o Carnaval e respeitei meus limites e vontades. Talvez em outra época do ano seja mais tranquilo e mais minha cara. Mesmo assim adorei Caldas Novas e o clima praiano da cidade! O pessoal anda com roupas de banho pelas ruas, como se estivessem andando no calçadão de alguma cidade litorânea. É bem divertido e despojado! Também gostei da estrutura da cidade. Tem restaurantes (adorei o Empadão Goiano da Tânia), lojas e hotéis para todos os públicos e bolsos. 

Queria muito ter ido ao Hot Park, mas fiquei com receio de pagar caro pelo ingresso, me locomover até lá e dar de cara com o parque lotado. E vou usar isso como pretexto para voltar, pois tenho muuuita vontade de me hospedar nesse resort (e não apenas usar o day-use). Também queria ter conhecido o Lago Corumbá, o Parque Estadual da Serra de Caldas e a Lagoa Quente de Pirapitinga, mas como esses lugares eram mais afastados do centro e eu estava a pé e sozinha, não consegui visitá-los. Tá vendo? Tenho muuuitos motivos para voltar!


GOSTOU DE CALDAS NOVAS?
Aproveite e conheça Goiânia também!

MINHA AVALIAÇÃO:




Todos os textos e fotos contidos nesse blog são minha autoria e não podem ser reproduzidos sem autorização.