PALMAS: A capital mais jovem do Brasil

Viagem realizada em outubro/2017


Palmas é a capital mais jovem do Brasil: foi fundada em 1989. Também é considerada a maior cidade do Tocantins e tem quase 280 mil habitantes! Ela é toda planejada, com largas e compridas avenidas e quarteirões milimetricamente quadriculados, seguindo o exemplo de Brasília. Geralmente os turistas que desembarcam ali tem como destino outras regiões turísticas do estado (como o Jalapão, por exemplo) e acabam só pernoitando na cidade. Mas esse não foi o meu caso (apesar de ter muita vontade de explorar o Jalapão).

Conheci a capital tocantinense durante um feriado de três dias. Vi uma promoção de passagem aérea e não resisti. Comprei! Como três dias é super pouco tempo, decidi ficar só em Palmas mesmo e ir para o Jalapão em uma próxima oportunidade. Com as passagens compradas, comecei pesquisar o que fazer na cidade e encontrei pouquíssimas informações turísticas. Um dos blogs que me ajudou muuuito a organizar essa viagem foi o Casos e Coisas da Bonfa. A Kátia, autora do blog, já tinha viajado pra lá com o marido e fez um excelente relato, repleto de fotos lindíssimas. Foi por causa do blog dela que fiquei com vontade de conhecer Palmas.

Escolhi o Hotel Jardim do Porto (eles não tem site, mas podem ser encontrados no Booking.com) para me hospedar, mas não gostei da experiência. Apesar de ter até piscina, achei toda a estrutura desse hotel bem precária (exceto a recepção que era simples, mas bem organizada). Acabei ficando em um quarto ao lado do corredor e da recepção e por conta disso não houve muito silêncio. Era gente falando alto dia e noite, barulho de rodinha de mala sendo arrastada, crianças gritando e correndo pra lá e pra cá... Também não haviam tomadas suficientes no quarto e a televisão não pegava nenhum canal. A localização era central, há apenas algumas quadras da Praça dos Girassóis, mas preferiria ter me hospedado em um hotel mais próximo da praça. Como em Palmas faz muito calor, qualquer quarteirão a mais que você tenha que andar se torna cansativo e longe. O café da manhã também não me agradou. Além de poucas opções, os itens não eram repostos com frequência. Se você acordasse mais tarde, não encontrava quase nada para comer. O atendimento e o sinal de wifi eram ótimos, mas não me hospedaria lá novamente.

Hotel Jardim do Porto
Meu quarto

O primeiro local que conheci na cidade foi a Praia da Graciosa, a principal de Palmas e com melhor infraestrutura. Mas, praia? No Tocantins? Em pleno cerrado brasileiro? É sim! As praias de Palmas são banhadas pelo Rio Tocantins e são deliciosas, com água transparente e quentinha. E não ficam muito longe do centro. Peguei um ônibus na Avenida Juscelino Kubitscheck e em menos de dez minutinhos já estava com meus pezinhos na areia (que não é branquinha, nem bege, mas super avermelhada). Não sei se era por causa da emenda do feriado, mas a praia estava vazia. Também fiquei surpresa ao ver que tinha uma espécie de cercado no rio, em toda a extensão da praia. Li que todas as praias de Palmas são assim e que esse "cercadinho" serve para proteger os banhistas de possíveis ataques de piranhas. Achei super curioso e meio tenso, rs!

Caminhei um pouquinho por lá e me surpreendi mais uma vez com a enorme quantidade de barcos flutuantes ancorados em um porto que fica no canto dessa praia. Percebi que os palmenses adoram alugar esse tipo de embarcação para fazer passeios pelo rio. Os barcos possuem uma ótima estrutura, com cozinha, churrasqueira, mesinhas, equipamentos de som... Alguns são até alugados para eventos!

Praia da Graciosa
Vazia, em pleno feriado!
Barcos flutuantes

É daí desse canto da Praia da Graciosa que saem os barcos que vão para a Ilha Canela. O trajeto até lá é super curto e não demora nem quinze minutos. Mesmo sendo rapidinho, o passeio é muito, muuuito lindo e vale super a pena! O que mais me encantou foi a água do rio refletir o azul do céu. Não dava para distinguir onde era um e onde era outro, parecia uma coisa só. É lindo demais! Fiquei apaixonada pela ilha assim que a vi lá longe, mesmo sendo artificial.

Paisagens do trajeto
Olha esse céu, esse rio e essa ilha!
Chegando na Ilha Canela

A Ilha Canela tem uma ótima infraestrutura! Dá pra passar o dia todo por lá. Há restaurantes, quiosques, sanitários, quadras, mesinhas dentro e fora d'água, espreguiçadeiras, bebedouro... E muuuito espaço! Se você quiser um cantinho mais sossegado, pode ter certeza que encontrará. Em alguns trechos das praias dessa ilha também há aquele cercadinho "barra piranhas". A água é super transparente e deliciosa! E o sol estava muuuito quente!

Pier de embarque e desembarque
Essa praia também tem cercadinho
Libélula vermelhinha
Outro cantinho da praia

Depois de tomar bastante sol, fui caminhar pela ilha e encontrei alguns bichinhos. Vi um caramujo (acreditem, nunca tinha visto um) e uma corujinha super fofa! É possível dar toda volta na ilha caminhando, mas como estava muuuito sol e muuuito quente, andei apenas até a metade e gostei bastante das paisagens que vi. Por volta das duas da tarde, peguei o barquinho e voltei para o centro de Palmas. Esse barquinho do passeio da volta não era tão grande como o da ida. E fui sozinha nele. Foi bem legal ter um barquinho só pra mim!

Bichinhos que vi pela ilha
Mangas, hummm!
A orla de Palmas, quase não tem prédios

Outra praia que conheci foi a Praia do Prata. Como não havia um ônibus que passasse por lá, fui de Uber, mas passei por uma experiência muito ruim na hora de voltar. Depois que já estava na praia, descobri que os motoristas te levam até lá, mas não te buscam... Um deles me explicou depois que eles não voltam porque o acesso é ruim (tem estradinhas de terra) e também porque boa parte dos banhistas voltam molhados e sujam o carro deles. Verdade ou não, me dei mal por conta disso. Fiquei quase duas horas tentando chamar um Uber e TODOS cancelavam a minha corrida. E a bateria do celular foi acabando e tive que pedir um carregador emprestado para uma das moças que trabalhava em um dos restaurantes. Só consegui voltar porque tive a sorte de ver um Uber chegando (para deixar uma banhista) e perguntei se ele poderia me levar de volta. Ainda bem que no final deu tudo certo! Mas foi um baita susto não conseguir voltar para o hotel em uma cidade que você não conhece.

Bom, vamos falar da praia agora, rs! A Praia do Prata tem uma boa infraestrutura. Tem muitos restaurantes, sanitários, sinal de wifi gratuito (eba!!!) e mesinhas com cobertura para acomodar e proteger os turistas, dentro e fora d'água. Cheguei lá no início da manhã e estava bem vazia, mas conforme o horário do almoço foi se aproximando, a praia foi ficando mais movimentada. Apesar da boa infraestrutura e da água ser uma delícia, sinceramente este não é o meu tipo preferido de praia. Achei bem pequena e por conta disso os banhistas ficam muvucados em um só lugar, dando a sensação de que está sempre muito cheia. Você não consegue ter um cantinho só seu, para relaxar. Ah, e também tinha tanta mesa e tanta cadeira que mais parecia uma praça de alimentação de shopping e isso acabou tirando a beleza natural do lugar. Quase não sobrava espaço na areia para tomar sol.

Estacionamento da Praia do Prata
Praia do Prata
Mesinhas dos restaurantes

Palmas tem mais praias espalhadas pelas margens do rio, como a Praia dos Arnos e a recém-inaugurada Praia do Caju. Porém, depois do probleminha com o Uber, acabei desistindo de explorar os lugares mais afastados e me concentrei nos atrativos mais próximos ao centro, como o Parque Cesamar, por exemplo. Esse parque é uma das principais áreas verdes da cidade e gostei bastante de conhecê-lo. Ele não é tão grande, mas tem um lago muito bonito com uma pista de cooper em volta. Estive lá no meio da tarde e estava bastante movimentado, com muitas crianças brincando no playground, na pista de skate, fazendo piquenique no gramado... Essa área gramada que fica em frente ao lago é uma delícia, perfeita para relaxar e contemplar a natureza.

Entrada do Parque Cesamar
O lago (à esquerda) e periquito em uma das árvores (à direita)

A Praça dos Girassóis é a maior praça pública da América Latina e a segunda maior do mundo! Ela fica bem no centro de Palmas e é considerada o cartão postal da cidade. Muitos dos momentos marcantes da capital tocantinense ocorreram ali. Também é nela onde estão instaladas as sedes dos Três Poderes, além das Secretarias de Governo. Todos esses órgãos públicos funcionam dentro de belíssimas construções. A minha preferida foi o Palácio Araguaia, que abriga o Poder Executivo. A arquitetura dessa construção é muito bonita e fiquei morrendo de vontade de conhecê-la internamente. Em frente ao palácio há um jardim com uma cascata muito bonita.

Na parte de trás do Palácio Araguaia fica o Monumento à Bíblia, uma grande escultura produzida em granito. Ele foi instalado bem no centro de uma rosa dos ventos que marca o Centro Geodésico do Brasil. Esse foi o meu lugar preferido na praça e, pode parecer bobagem, mas fiquei emocionada ao saber que estava bem no meio do Brasil. :) Ali pertinho fica outro importante monumento que homenageia os primeiros moradores que ajudaram a construir a cidade: o Monumento de Súplica dos Pioneiros. Essa escultura foi produzida em bronze e representa uma família. Quase ao lado há o Cruzeiro (que marca o lugar onde ocorreu a primeira missa) e a Pedra Fundamental (que simboliza o início da construção de Palmas).

Palácio Araguaia
Fonte em frente ao palácio
Monumento à Bíblia no Centro Geodésico do Brasil (à esquerda) e Monumento de Súplica dos Pioneiros (à direita)

Ainda na Praça dos Girassóis fica outra belíssima obra arquitetônica, o Memorial Coluna Prestes. Essa construção foi projetada por Oscar Niemeyer e funciona como um museu e um teatro. Infelizmente estava fechado durante minha estadia na cidade e não consegui visitá-lo internamente. Próximo dali há outro monumento histórico, o Monumento aos Dezoito do Forte de Copacabana. Essas esculturas (também em bronze) me chamaram a atenção assim que entrei na praça. Elas são muito, mas muuuito expressivas! Como essa praça é enorme, há várias outras obras espalhadas em toda sua extensão, mas não consegui visitar todas.

Memorial Coluna Prestes
Monumento aos Dezoito do Forte de Copacabana

Gostei de conhecer Palmas. A cidade tem poucos, mas bonitos lugares que merecem a visita e que, infelizmente, ainda são pouco explorados turisticamente. Amei a Ilha Canela e o Rio Tocantins, por exemplo. Foram meus lugares preferidos! Porém acho que Palmas precisa melhorar muuuito em alguns aspectos. Quase sempre viajo sem carro, pois não dirijo, e dependo muuuito de transporte público para me locomover. E isso foi o que mais senti falta por lá. Um sistema de transporte público eficiente. Você quer ir do centro para o aeroporto? Tem que pegar dois ônibus, que demoram séculos para passar e é quase impossível conseguir conciliá-los sem ficar um tempão esperando (ainda mais em uma emenda de feriado). Quer ir para a Praia do Prata ou do Caju? Não tem ônibus que passe por lá. Você terá que contratar um Uber/táxi e na hora de voltar, ter a sorte de encontrar um motorista com boa alma que aceite te trazer de volta (eles raramente buscam as pessoas nas praias). Isso é apenas alguns exemplos de lugares que tentei ir de transporte público e não consegui. Fiquei um pouco chateada, pois eu estava em uma cidade que é uma capital, que foi planejada e que teoricamente deveria ter uma boa infraestrutura. Imagino como deve ser difícil para os moradores se locomoverem no dia-a-dia sem ter um carro. Uma cidade não pode funcionar apenas para motoristas. Torço para que um dia eu volte à Palmas e encontre a cidade melhor nesse aspecto, não só para os turistas, mas principalmente para a população palmense.


ACESSE TAMBÉM:
http://casosecoisasdabonfa.blogspot.com.br/2013/07/um-final-de-semana-em-palmasto-belas.html

MINHA AVALIAÇÃO:


Todos os textos e fotos contidos nesse blog são minha autoria e não podem ser reproduzidos sem autorização.