PANTANAL: Mato, bichinhos e muita emoção

Viagem realizada em dezembro/2016


Já vou começar o post dizendo que essa viagem foi muuuito especial! Eu morria de vontade de conhecer o Pantanal, a maior planície alagada do mundo. Era um desejo antigo. Desde criança via novelas e reportagens na televisão que mostravam a incrível biodiversidade pantaneira. São centenas de espécies de aves, mamíferos, répteis, peixes e insetos vivendo por lá. Amo a natureza e amo ver bichinhos, então é claro que o Pantanal estava na minha wish list de viagens, apenas esperando uma oportunidade de nos conhecermos pessoalmente.

O Pantanal ocupa uma área de mais de 140 mil metros quadrados, dividindo-se entre os estados do Mato Grosso (Pantanal norte) e Mato Grosso do Sul (Pantanal sul), além de uma área na Bolívia e no Paraguai. Uma das coisas interessantes do clima pantaneiro é que existem duas estações bem distintas e bem definidas: a seca (entre abril e setembro) e a cheia (entre outubro e março). Parece bobagem, mas isso influenciará muito o estilo da viagem e os animais que você verá durante os passeios. Nós fomos em dezembro, época em que a região começa a ficar alagada. Algumas trilhas já estavam até interditadas. Por conta disso vimos mais aves do que animais terrestres, e os passeios de barco pelo rio foram esplendidos!

Acho que a maior dificuldade que encontrei durante o planejamento dessa viagem foi encontrar uma hospedagem que não fosse tão cara e onde também fosse possível chegar sem carro. Boa parte dos hotéis no Pantanal são fazendas adaptadas para receber turistas e elas ficam super no meio do mato. Depois de pesquisar bastante (e ficar chocada com alguns preços, rs), escolhemos o Hotel Sesc Porto Cerrado. Ele fica mais ou menos perto da cidade de Poconé, à 145 quilômetros de Cuiabá. Além da estrutura FANTÁSTICA (que vou contar mais pra frente), ele também disponibiliza um serviço de transfer que sai do aeroporto e pensão completa. Impossível ter mais comodidade e conforto do que isso, né?

Chegamos em Cuiabá por volta das 11h30 da manhã. O aeroporto é bem pequeno e não tem muitas opções de lojas e restaurantes, mas do outro lado da rua há um shopping, onde almoçamos. Por volta das 14h, a van do Sesc veio nos buscar e seguimos direto para o hotel. Conforme vamos nos distanciando da capital do Mato Grosso, as paisagens ficam mais bonitas e já começamos a entrar no clima pantaneiro!

Chegando em Cuiabá
Paisagens da estrada
Chegando no Sesc Porto Cerrado

Chegamos no Sesc por volta das 16h30 e amei o hotel assim que pisei meus pés nele! O paisagismo da área externa era muito lindo e bem cuidado. O gramado era tão verdinho, e havia tantas flores e árvores... Uma graça! Fizemos o check in rapidinho e fomos direcionados para o nosso quarto. Reservamos a suíte mais simples, mas ela era enorme!!! E com uma cama enooorme também! Tudo era muito confortável. A única coisa que não gostamos foi do chuveiro. Ele não esquentava direito e foi muito difícil tomar banho "quase frio" durante os cinco dias que estivemos por lá. O wi-fi também não pegava direito e vivia caindo... Porém, como estávamos no meio do mato, não dava para exigir um conexão excelente, né?

Nosso quarto

Deixamos nossas malas no quarto e fomos conhecer a estrutura externa do hotel. Ele é muuuito grande! Os quartos são separados em oito grandes blocos. Não lembro em qual ficamos, mas era no piso inferior e tinha vista para o lago, s2. O restaurante estava em reforma e por isso todas as refeições foram servidas no Centro de Eventos. E por falar em refeições, nós comemos muuuito bem durante esses dias! O café da manhã, o almoço e o jantar eram ESPETACULARES! Havia uma grande variedade de pratos e tudo era delicioso e com uma ótima apresentação.

A área de lazer era composta por algumas piscinas (que não chegamos a usar porque estavam sempre cheias), salão de jogos (com mesas de sinuca, pingue-pong, pebolim e jogos de tabuleiro), playground, casa na árvore, brinquedoteca, mini cinema e quadra gramada. Depois de fazer o reconhecimento da área (rs), fechamos esse primeiro dia com um pôr do sol inesquecível!

Área externa
Piscina
Pôr do sol no lago

Além da área de lazer, o Sesc possui alguns espaços de educação ambiental. Conhecemos dois deles: o Borboletário e o Centro de Interpretação Ambiental (CIA). O Borboletário é muito lindo e tem muitas, mas muuuitas espécies de borboletas! A arquitetura também é muito bonita. Ele fica dentro de uma estrutura metálica arredondada revestida com uma tela. Fiquei encantada com a diversidade de borboletas e com o belíssimo jardim. O Centro de Interpretação Ambiental também é muito interessante. Há várias salas com vários painéis (alguns interativos), maquetes e fotos explicando um pouco sobre a fauna, o clima e a flora pantaneira. Gostei muito de conhecer esses dois espaços! Além desse centro e do borboletário, também fazem parte do eixo ambiental do Sesc um formigueiro e uma espécie de museu onde está exposta uma coleção de insetos.

Ali pertinho do borboletário fica outro espaço muito legal: a Horta Orgânica. A horta só fica aberta ao público em alguns horários específicos e a visita é sempre feita com o acompanhamento de um dos monitores. Tudo o que é produzido ali (sem o uso de agrotóxicos) é usado no preparo das refeições nos restaurantes e no spa.

Borboletário, por dentro e por fora
Há muitas espécies de borboletas por lá
Centro de Interpretação Ambiental
Horta orgânica

Como o Sesc fica dentro do Pantanal, o contato com diversas espécies de aves e muitos bichinhos típicos dessa região acontece o tempo todo. Os jardins do hotel estão sempre repletos deles! Vimos tantas, mas tantas aves diferentes durante essa viagem! Uma mais linda do que a outra! O Pantanal é um prato cheio para quem gosta de ter contato e contemplar a natureza.

Algumas das aves que vimos no jardim do Sesc
Mais um bichinho

Além dos quartos super confortáveis, da área de lazer e da comida maravilhosa do restaurante, o Sesc também organiza diversos passeios e atividades pela região (sempre com o acompanhamento de monitores). Todos os dias há uma programação diferente. Basta consultar a agenda, escolher o que você quer fazer e agendar com um dos monitores que ficam no Quiosque de Passeios. É muito simples e rápido. E os passeios são super baratinhos (melhor parte, né?)!

O primeiro que fizemos foi a Trilha do Tatu. Nós embarcamos em um voadeira e percorremos um curto trecho do Rio Cuiabá (ah, quase esqueci de contar que o Sesc fica localizado às margens desse rio, olha que maravilha!). Essa parte do passeio foi uma delícia. Avistamos várias aves e algumas casas e embarcações típicas.

Plataforma de acesso ao pier
Navegando pelo Rio Cuiabá
Bichinhos que avistamos durante o passeio

Depois de uns dez minutos navegando, desembarcamos e começamos a trilha na mata. Todo o percurso (quem tem uns três quilômetros, aproximadamente), é feito em uma plataforma suspensa de palafitas. Caminhamos por cerca de uma hora. Achei bem cansativo devido ao calor e a quantidade de mosquitos. Gente, tem muitos, mas muuuitos mosquitos!!! Passei repelente, mas ainda assim levei um monte de picadas. Acho que umas cinquenta (e olha que não estou dramatizando)! Isso atrapalhou um pouco o passeio, mas ainda assim achei que valeu a pena. Nós vimos muito macacos, ariranha, jacaré e mais aves lindas!

Também fomos à um mirante onde pudemos ver um pouquinho do Pantanal do alto. Foi MARAVILHOSO! A vista é muito linda! Fiquei encantada! Passamos um tempinho lá em cima curtindo a vista e depois caminhamos mais um pouco até chegar em um outro mirante. Aproveitamos para descansar curtindo mais paisagens lindas. Voltamos para o hotel exaustos (e famintos)!

Vista do mirante
Plataforma de palafitas no meio da mata
Outro mirante

À tarde, fizemos mais um passeio: o Corixo do Moquem. Como estávamos bem cansados da trilha da manhã, escolhemos este por ser mais tranquilo. Embarcamos na voadeira novamente e navegamos por cerca de uma hora e meia pelo rio. Vimos mais bichinhos e mais aves. O final do passeio é em um corixo muito lindo (também conhecido como igarapé ou igapó).

Pantaneiro
Capivara
Corixo do Moquem

No dia seguinte acordamos suuuper cedo: às 4h30 da madrugada! E adivinhem pra quê? Para fazer o passeio Alvorecer! Estava empolgadíssima para ver o amanhecer no Pantanal e tirar vááárias fotos do sol nascendo, mas acabei me frustrando... O tempo não estava tão bom e o nascer do sol foi bem mais ou menos... A parte legal é que navegamos por cerca de duas horas pelo rio (no escuro) e vimos alguns jacarés e aves de hábito noturno.

Lua cheia (à esquerda) e uma garça solitária (à direita)
Nascer do sol

Nesse dia o tempo acabou ficando chuvoso, mas mesmo assim aproveitamos a tarde para fazer a Cavalgada. Morria de vontade de andar à cavalo, mas sempre achei esse tipo de passeio muito caro. E lá é muuuito barato! Essa atividade é feita em um outro Sesc, chamado Sesc Baía das Pedras, que é uma espécie de mini fazenda que serve de apoio para alguns passeios. Ele fica a aproximadamente sete quilômetros de distância do hotel e o meio de transporte para chegar lá foi um trenzinho puxado por um trator. Essa parte do passeio foi bem divertida! Estava chovendo (e até um pouco frio), mas ainda assim foi legal!

A parte que eu não gostei foi a de andar no cavalo. Meu cavalo era meio agitado e eu fiquei morrendo de medo. Mas morrendo de medo mesmo, com direito a choro e tudo! Pois é, passei vergonha, mas fui mesmo assim... rs A cavalgada pela mata (que estava com alguns trechos alagados por conta da chuva) durou uns trintas minutos, mas pareceu uma eternidade! Não via a hora de terminarmos o passeio para que eu pudesse colocar meus pezinhos no chão. rs

Nosso transporte até o Sesc Baía das Pedras
Entrada do parque
Estrebaria

O Sesc Baía das Pedras também tem uma estrutura muito legal. Nesse dia da Cavalgada não tivemos muito tempo de visitar todos os espaços, mas no dia seguinte fizemos um outro passeio (chamado Bonde Ecológico) que era específico para conhecer em detalhes essa mini fazenda. Foi bem legal! Conhecemos a estrebaria e vimos mini vacas, mini bois e mini bezerros sendo alimentados. Foi interessante! A parte mais legal e emocionante foi ver os jacarés que estavam em um rio que beira o Sesc. Eram muitos! Também avistamos araras-azul no topo das árvores. Foi lindo!

No dia seguinte voltamos ao Sesc Baía das Pedras, mas dessa vez não usamos o Bonde Ecológico como meio de transporte. Fizemos um passeio de bicicleta e pedalamos quase catorze quilômetros (ida e volta)! Me senti super atleta e feliz por ter conseguido pedalar por tanto tempo. Fazia muitos anos que não andava de bicicleta e foi um momento importante de superação para mim.

Sesc Baía das Pedras
Mini bichos
Araras-azul
Jacaré

Bom, vocês já devem ter percebido que AMEI essa viagem e AMEI o Pantanal! Foi tudo muuuito especial e vivi vários momentos lindos e inesquecíveis. A hospedagem no Sesc fez toda a diferença também. Quem acompanha o blog sabe que tenho um estilo mais econômico de viajar, mas dessa vez escolhi ter um pouquinho mais de conforto e adorei. A única coisa que me incomodou bastante durante a viagem foi os mosquitos. Eles não me deixavam em paz e ganhei uma coleção de picadas em todas as partes do corpo. Eu passava repelente, mas parecia que não fazia efeito nenhum nos danadinhos... rs Tirando isso, super recomendo o Pantanal e super recomendo o Sesc. Foi lindo! s2


NOSSA AVALIAÇÃO:




Todos os textos e fotos contidos nesse blog são minha autoria e não podem ser reproduzidos sem autorização.