GRAMADO: A cidade mais fofa da Serra Gaúcha

Última viagem realizada em fevereiro/2018


Uma das minhas cidades preferidas da vida é Gramado. Para quem não conhece, Gramado é uma pequena cidade de colonização alemã, italiana e portuguesa que fica na área serrana do Rio Grande do Sul, mais conhecida como Serra Gaúcha. Essa região é simplesmente m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a!!! Sou apaixonada por quase todas as cidades de lá. Já fui duas vezes e sempre é especial. E nunca me canso de voltar! O inverno e o Natal são as épocas do ano de alta temporada, em que as pousadas ficam lotadas (e caras). Como fui em janeiro/fevereiro estava tudo bem tranquilo (do jeito que eu gosto! rs) e deu para aproveitar muuuuuuito. Ah, e também não peguei aquele típico frio serrano. Boa parte dos dias estavam muito quentes e ensolarados (passei mais calor do que quando fui à Bahia, rs).

Chegar à Gramado é bem fácil, tanto para quem está de carro, como para quem está a pé (e desembarca em Porto Alegre). Dentro do próprio aeroporto há um guichê da empresa Citral, onde é possível comprar a passagem do ônibus. É muito prático e foi dessa forma que cheguei em Gramado nas duas vezes que viajei para lá. O trajeto dura em torno de duas horas e meia, aproximadamente.

Um dos pórticos de Gramado

Se locomover pelas ruas e atrativos de Gramado também é bem tranquilo, inclusive para quem está sem veículo próprio. Claro que estar na cidade de carro te dá muito mais flexibilidade e liberdade, mas também é super possível chegar em boa parte dos atrativos usando outras formas de locomoção. Você pode contratar os serviços das agências receptivas, comprar um ticket para andar no novíssimo Bus Tour (que faz 35 paradas estratégicas em Gramado e Canela), chamar um Uber ou um táxi, ou usar o transporte público (que funciona super bem por sinal). Na minha primeira viagem contratei a agência Jardineira de Gramado para fazer vários passeios e adorei o atendimento e os serviços prestados (super recomendo). Já na segunda viagem (que eu quis economizar muuuito) utilizei o transporte público e consegui me virar super bem!

Bus tour, a nova opção de transporte em Gramado

Já me hospedei em dois lugares diferentes. Na primeira vez escolhi a pousada Cabanas do Tio Chico. Ela não era muito próxima ao centro, mas como ficava na avenida que vai para Canela, a Avenida das Hortênsias, achei a localização boa, pois acabei ficando entre as duas cidades e perto de alguns dos lugares que visitaria durante a viagem. Porém, não gostei da estrutura da pousada. As cabanas eram super bonitinhas do lado de fora, tinha um vista l-i-n-d-a para as montanhas do Vale do Quilombo e para o nascer do sol, mas por dentro era tudo muito velho. O café da manhã foi o que mais me decepcionou... Como era baixa estação e haviam poucos hóspedes, reparei que vários produtos estavam passados. As frutas tinham gosto e cheiro ruim (azedo), os pães estavam secos e duros e os bolos eram de uns três dias atrás. Foi muito desagradável. E outro detalhe: alguns doces que eu havia comprado e deixado em cima de uma bancada do quarto sumiram e ninguém se responsabilizou por isso. Tentei não estressar, pois estava de férias, mas não gostei de lá e não recomendo essa pousada para ninguém.

Cabanas do Tio Chico
Jardim lindo da pousada com vista para o Vale do Quilombo
A programação de todas as manhãs: ver o sol nascer

Na segunda vez fiquei hospedada na Pousada da Mari. Como estava fazendo uma viagem super, hiper, mega econômica, acabei escolhendo essa hospedagem por ser mais em conta. Ela fica um pouquinho longe do centro, mas como estava sem dinheiro para pagar uma hospedagem mais central, acabei optando ficar lá e não me arrependi. Fui muito, mas muuuito bem atendida! Meu quarto, apesar de simples, era super confortável (e limpinho). Como é um tipo de hospedagem econômica, eles não ofereciam café de manhã, mas havia frigobar no quarto e uma cozinha compartilhada na área comum. Também havia um ótimo sinal de wifi e televisão. A única parte ruim (e cansativa) era caminhar por uns vinte minutos até o centro todos os dias (eu também quis economizar com Uber, rs). De resto foi perfeito!

Pousada da Mari
Minha suíte

Ali no entorno da Avenida das Hortênsias há muitos lugares para conhecer. E o ônibus que vai para Canela passa em frente a todos esses pontos turísticos. O Hollywood Dream Cars foi um dos primeiros lugares que visitei aí nessa avenida. Esse museu é especializado em carros antigos e, apesar de não me interessar por veículos, minha mãe gostou muito e ficou encantada (e relembrando a juventude, rs). Todos eram novinhos (apesar de antigos, rs), super conservados e brilhavam, de tanto polimento. Particularmente achei o ingresso caro e indico essa atração apenas para quem gosta muuuito de carros antigos. Já o Museu Medieval (que fica ali pertinho) me agradou muito mais, começando pela arquitetura do prédio (que parece um castelo). O acervo é composto por espadas, brasões, armaduras e muitos outros objetos da época medieval. Achei muuuito interessante e este foi um dos meus museus preferidos!

Fachada do Hollywood Dream Cars iluminada à noite
Muitos carros antigos
Museu Medieval, parece um castelo!
Acervo interessantíssimo!

Museu do Chocolate é outra atração que fica ali pertinho, dentro da loja temática O Reino do Chocolate, da Floryball. A fachada é super bonitinha, mas indico a área do museu apenas para o público infantil. Quando fui em 2013, a entrada era bem baratinha (algo em torno de cinco reais) e, como tinha ganhado um voucher com desconto, acabei visitando-o. Porém, quando voltei em 2018, o ingresso tinha subido para dezoito reais e, sinceramente, acho que não vale esse preço. O museu conta a história do chocolate por meio de plaquinhas, cenários e bonecos automatizados. E também tem um espaço onde você pode fabricar o seu próprio chocolate (pago à parte, além do ingresso de entrada). O que mais gostei dentro dessa loja foi a chocolateria que fica nos fundos. Além de super fofa e bem decorada, tem o melhor chocolate quente que já tomei na vida! Ah, e as paredes são de vidro com vista para o lindíssimo Vale do Quilombo.

Loja temática "O Reino do Chocolate", da Floryball
Museu do Chocolate
Chocolateria nos fundos da loja

Mundo Encantado foi outra atração que conheci, mas achei que não valeu a pena por conta do preço do ingresso. A fachada é muito lindinha! Lá dentro há várias salas com cenários e maquetes que mostram a história da colonização de Gramado e Canela, e também miniaturas dos principais pontos turísticos dessas duas cidades. Tudo é muito bonitinho e realmente encanta, mas a entrada é muito cara. O Mirante Belvedere fica bem perto do Mundo Encantado e tem uma vista linda para as montanhas do Vale do Quilombo. Ali na Avenida das Hortênsias ainda há outros atrativos (como o Museu do Perfume, o Salão Super Carros e o Museu de Cera, por exemplo), mas só conheci esses que mencionei (por enquanto, rs).

Fachada do "Mundo Encantado"
Maquetes lindas!
Mirante Belvedere

O centro de Gramado gira em torno da Avenida Borges de Medeiros. Essa rua é uma graça! Tem várias lojinhas, hotéis e restaurantes. Tudo muito fofo, florido e bem cuidado! A arquitetura das construções nessa avenida (e em toda a cidade) são lindas! Eu não conseguia parar de admirá-las e fotografá-las. E as lojas de chocolate? Simplesmente maravilhosas! Como não sabia qual marca era melhor, acabei comprando um pouquinho em cada lugar (Floryball, Caracol, Prawer, Lugano, entre outras) e achei todos deliciosos!!!

Uma das igrejas mais famosas de Gramado fica aí nessa avenida, a Igreja São Pedro. Ela foi inspirada nas igrejas romanas e toda sua fachada é de pedra basáltica. O início da construção foi em 1943 e demorou oito anos para ficar pronta. Em frente à igreja há estátuas dos doze apóstolos (em tamanho real) e de São Pedro, o padroeiro da cidade.

Avenida Borges de Medeiros
Igreja São Pedro, por dentro e por fora
Os doze apóstolos

Nos fundos da igreja fica outro atrativo relativamente novo em Gramado, a Fonte do Amor Eterno. Essa fonte foi construída em 2013 e teve como inspiração a famosa Fontana Di Trevi, da Itália. Os casais apaixonados que vierem para Gramado podem selar a sua união prendendo um cadeado (com seus nomes gravados) nessa fonte. Ali do outro lado da calçada fica a Rua Coberta. Antigamente aí realmente tinha uma rua, a Madre Verônica, que ligava a Borges de Medeiros à Rua Garibaldi. Porém ela acabou sendo interditada e transformou-se em uma espécie de calçadão apenas para pedestres. Ela também ganhou um telhado de vidro, com várias plantinhas penduradas, criando um visual muito bonito e charmoso. Além dos muitos restaurantes, lojas e bares, a rua também sedia alguns eventos.

Ali pertinho tem outra construção super importante para a cidade: o Palácio dos Festivais. Para quem não sabe Gramado sedia o maior festival de cinema da América Latina, o Festival de Gramado, e ele acontece aí nesse prédio. Durante o evento a cidade fica lotada de artistas! Em frente há uma espécie de calçada da fama com as mãozinhas de vários atores brasileiros.

Fonte do amor eterno (à esquerda) e Rua Coberta (à direita)
Palácio dos Festivais
Calçada da fama

No entorno da Avenida Borges de Medeiros há mais atrações turísticas. Um lugar que visitei e achei que não valeu a pena foi a Aldeia do Papai Noel. Como o Natal é uma das épocas em que a cidade fica mais movimentada, os jardins do Parque Knorr foram transformados em um parque temático, onde é possível encontrar o Papai Noel durante todo o ano. Esse é o único parque natalino no Brasil e há diversas atrações espalhadas nos seus mais de noventa mil metros quadrados. Tem a casa do Papai Noel, as renas (de verdade!), uma fábrica de brinquedos, a árvore de desejos... A ideia e a estrutura do parque são bem legais, só que achei tudo muito antigo e com um certo ar de abandono. Como fui em 2013, pode ser que tenha melhorado de lá pra cá. As únicas coisas que gostei foram a Casa do Papai Noel (que é muito bonitinha) e a vista do mirante para a Avenida das Hortênsias e para as montanhas do Vale do Quilombo (é lindo demais!).

Em outra travessa da Borges de Medeiros fica a Igreja do Relógio, mais um ponto turístico que merece a visita. Ela foi construída em 1953 e tem um sino que veio diretamente da Alemanha. Acho que a melhor época para visitar essa igreja é durante o mês de dezembro, quando as hortênsias do jardim florescem e dão um charme muuuito especial à construção. Infelizmente nas duas vezes em que estive em Gramado elas já haviam secado e não estavam tão bonitas. Quem sabe consigo vê-las em uma terceira viagem? rs

Aldeia do Papai Noel
Vista linda para a Avenida das Hortências e para o Vale do Quilombo
Igreja do Relógio

Rua Torta fica ali pertinho da Igreja do Relógio, também em uma travessa da Borges de Medeiros. Essa rua é conhecida por ser a rua mais torta de Gramado e foi inspirada na Lombard Street, que fica em São Francisco, na Califórnia. Sinceramente me pareceu uma rua comum, porém como construíram vários canteiros de flores nas laterais, parece que ela tem curvas sinuosas, mas é apenas ilusão...

Praça das Etnias é a minha praça preferida em Gramado! Ela foi construída para homenagear os imigrantes italianos, portugueses e alemães que foram os responsáveis pela colonização da cidade. Além de linda e super florida, a praça tem alguns atrativos muito interessantes, além de abrigar a rodoviária. Um deles é o Memorial Casa Italiana. Esse memorial fica dentro de uma típica casa italiana da época da imigração. Lá dentro estão expostos vários objetos que contam um pouquinho da história e da cultura desses imigrantes. Infelizmente não tive tempo de visitá-la internamente, mas por fora é muuuito bonita!

Memorial Casa Italiana (à esquerda) e Rua Torta (à direita)

Outros atrativos da praça é a Casa Portuguesa (estava fechada durante minha visita e não faço ideia do que tem lá dentro) e a Casa Alemã, onde funciona a Casa do Colono, que comercializa diversos produtos caseiros deliciosos produzidos pelos colonos que ainda residem na zona rural de Gramado. Tem queijos, geleias, biscoitos, suco, vinho, temperos, doces, linguiças, mel, frutas, conservas... Ali do lado da Casa do Colono há alguns fornos à lenha, onde cucas e pães são assados na hora. O cheiro é m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o e eu amo o pão com linguiça! Comia um em quase todos os dias da viagem! Também há uma Feira Orgânica e uma Feira de Artesanato bem legais. Ah, e daí da praça saem os passeios do Roteiro de Agroturismo, onde os turistas podem visitar alguns lugares do interior de Gramado. São vários roteiros e cada um sai em um dia diferente da semana. O ônibus que faz os passeios é super antigo e muito charmoso. Ainda não consegui fazer nenhum desses roteiros, mas vontade é o que não falta! :)

Casa do Colono, onde são comercializadas muitas delícias!
Um dos ônibus que fazem o passeio do Agroturismo

Minimundo fica ali perto e foi mais uma das minhas atrações preferidas! Inicialmente você pode achar que visitar um parque contendo uma cidade em miniatura pode parecer um programa infantil. Mas não é, não! As diversas miniaturas de prédios de várias partes do mundo são encantadoras! As réplicas são muuuito fiéis. Fiquei impressionada e encantada com o cuidado nos detalhes. É muito bonitinho! E também há miniaturas de construções aqui do Brasil, como o Museu do Ipiranga (SP), a Igreja São Francisco de Assis (MG) e a Estação Ferroviária de São João del Rei (MG). É tudo lindo demais!

Minimundo
Muitas miniaturas do mundo inteiro
Tinha até o Museu do Ipiranga!

Se você continuar caminhando encontrará uma estátua do Kikito (o símbolo do Festival de Cinema) e chegará ao Lago Joaquina Rita Bier. Esse lago, apesar de artificial, é muito bonito e há diversas araucárias e flores ao redor, deixando a paisagem ainda mais bonita. O lago é um ótimo lugar para relaxar, contemplar a natureza ou praticar atividades físicas.

Estátua do Kikito
Lago Joaquina Rita Bier

Outro lago que vale a pena conhecer é o Lago Negro. Certamente esse é um dos cartões postais mais visitados de Gramado. Ele não fica tão próximo ao centro, são uns dois quilômetros de distância, mas já fui a pé duas vezes. É um pouquinho cansativo (coisa de uns vinte minutos caminhando), mas nada muito puxado. A história desse lugar é muito interessante! Antigamente não existia nenhum lago ali. Era tuuudo mato! Mas um incêndio, em 1942, devastou boa parte das árvores, deixando um enorme vazio no meio da mata. Foi aí que o responsável por essa região, Leopoldo Rosenfeldt, teve a brilhante ideia de abrir uma vala (com a ajuda dos moradores), que foi sendo preenchida com a água de uma nascente, formando pouco a pouco o lago. No entorno, onde também estava vazio, foram plantadas mudas trazidas da região da Floresta Negra, na Alemanha. E assim originou-se o Lago Negro! Hoje, o lago possui uma ótima infraestrutura. Tem pedalinhos, sanitários, restaurante e muuuitas hortênsias lindas em toda a sua extensão. Certamente, visitar o lago é um programa imperdível (e gratuito)!

Em frente à entrada do lago tem outro local muito bonitinho que merece uma visita: a Alemanha Encantada. Ela foi construída recentemente e é uma espécie de vila germânica, onde funciona um restaurante e uma loja de souvenirs. As construções são super fofas e parece que você está entrando em um contos de fadas, de tão encantador que é. Além das casinhas, da ponte e dos jardins, também há uma torre de vinte metros de altura com um mirante panorâmico lá no topo, com vista para o Lago Negro. A entrada na vila é gratuita, porém o acesso à torre é pago.

Lago Negro
Pedalinhos no lago
Alemanha Encantada
Torre com mirante panorâmico
Vista do Mirante

Saindo da região central e da Avenida das Hortênsias, Gramado ainda tem outros atrativos espalhados nas duas rodovias que dão acesso à cidade: a RS 115 e a RS 235. O Le Jardin fica na rodovia que liga Gramado à Três Coroas (a RS 115) e é possível chegar de transporte público. Os ônibus que vão para Três Coroas ou para o Zoológico passam por lá e há uma parada quase em frente. Esse parque é enorme (com mais de três hectares) repleto de jardins com os mais diferentes tipos de plantas e flores. A especialidade é a lavanda e há até uma loja temática que comercializa os mais diversos tipos de cosméticos curiosamente produzidos com essa flor. Quem se interessar também pode comprar mudas da lavanda ou de outras flores lá na área da estufa. Amei conhecer esse parque! Achei os jardins lindos e muito bem cuidados. Como o parque fica em uma área alta de Gramado, tem uma vista muito bonita para as montanhas e isso deixa o passeio ainda mais encantador e agradável. Ah, e o acesso é gratuito!

Entrada do Le Jardin
O projeto paisagístico do parque é muito bonito
As lavandas
Não é lindo?

Nessa mesma rodovia fica o Gramado Zoo e o Parque Gaúcho. Os mesmos ônibus que passam no Le Jardin também páram aí. O zoológico é muito legal! Como no dia em que fui estava com pouco movimento de turistas, o zoológico foi praticamente só meu! A estrutura do zoo é ótima e super bem cuidada. Há muitos bichinhos da fauna brasileira, mas a área das aves foi a que mais gostei. Elas ficam soltas e você pode vê-las bem de pertinho. O zoo também tem uma curiosa calçada da fama com as patinhas de alguns animais.

Entrada do Gramado Zoo
Algumas aves ficam soltas
Macaquinho!

Junto com o ingresso do zoo estava incluso a entrada para o Parque Gaúcho. Quando visitei esse parque temático, em 2013, ele tinha acabado de ser inaugurado e muitas áreas ainda não estavam prontas. Provavelmente ele deve estar bem diferente hoje. Mesmo com poucas coisas para ver (fiquei menos de uma hora lá dentro), achei super interessante conhecer um pouquinho da história e dos costumes do gaúcho.

Entrada do Parque Gaúcho
Paisagem linda ao redor do parque

Na rodovia que liga Gramado à Nova Petrópolis (a RS 235) também há alguns atrativos, como o novíssimo parque Snowland, a atração A Mina de Gramado e o Parque Tomasini. Por lá, visitei apenas a Vinícola Ravanelloque produz vinhos e espumantes finos de alta qualidade considerados um dos melhores da região sul do país. Acho que a Ravanello é a única vinícola de Gramado e ainda é pouco conhecida na rota turística da cidade. As visitas guiadas nos parreirais de Bento Gonçalves, por exemplo, são muito mais procuradas e famosas. Não fiz a visita na área interna (incluindo degustação) porque achei muito cara (e eu estava economizando, lembra?), mas fiquei feliz de conhecer o prédio (que é muuuito lindo) e um pedacinho dos parreirais (cheio de rosas). A vinícola fica em frente ao Snowland e também há ônibus que passam por lá. São duas linhas: a que vai para Nova Petrópolis e o micro-ônibus Snowland.

Vinícola Ravanello
Um pedacinho dos parreirais
Além de uvas, também tinha kiwis

Minhas duas viagens à Gramado foram inesquecíveis! Amei a charmosa arquitetura das construções, os jardins coloridos e super bem cuidados, a educação e simpatia dos gramadenses, os chocolates deliciosos e todos os locais que conheci. Foi tudo lindo e as lembranças ficarão para sempre! A hora de ir embora sempre dá uma dorzinha no coração e é triste não poder ficar mais. É curioso pois já fui duas vezes pra lá e ainda faltam lugares para conhecer. Gramado é um destino para se voltar muitas e muitas vezes! Sempre há um novo cantinho a se descobrir.


GOSTOU DE GRAMADO?
Visite também as outras cidades da Serra Gaúcha. CanelaTrês Coroas e Nova Petrópolis ficam bem pertinho!

MINHA AVALIAÇÃO:




Todos os textos e fotos contidos nesse blog são minha autoria e não podem ser reproduzidos sem autorização.